Energia renovável: faz bem para o planeta e para a economia | Comida Boa - Do Campo à Mesa

Temas Temas
Temas

Energia renovável: faz bem para o planeta e para a economia

Energia renovável: faz bem para o planeta e para a economia

O mundo está cada vez mais preocupado com a preservação do meio ambiente. E temos motivo pra isso: aquecimento global, esgotamento dos recursos naturais, bilhões de pessoas para alimentar. Não é mais aceitável produzir alimentos ou gerar energia sem considerar a sustentabilidade do planeta.

No que diz respeito à geração de energia renovável e não poluente, o Brasil é um exemplo para o mundo.  O avanço da tecnologia faz com que o país seja considerado um líder na produção de bioenergia como etanol, biodiesel e biogás.

Para entender melhor como o Brasil caminha para a transição energética, aumentando o uso de fontes renováveis, o Comida Boa conversou com Tamar Roitman, gerente executiva da Associação Brasileira do Biogás (Abiogás).

O que é bioenergia?

A bioenergia tem origem biológica em matérias-primas disponíveis na natureza. Podem ser matérias-primas plantadas e cultivadas para essa produção. Por exemplo, a cana-de-açúcar pode dar origem ao etanol – uma forma de energia utilizada no nosso veículo. Também pode utilizar resíduos da produção agrícola e pecuária, podendo dar origem ao biogás – utilizado como fonte energética.

A eficiência de conversão, por exemplo, do biogás em energia elétrica, é exatamente a mesma de uma usina termelétrica de gás natural. Nisso, o biogás não perde em nada. A mesma coisa o etanol que tem, praticamente, a mesma eficiência da gasolina e o biodiesel com o diesel. Então, a bioenergia pode ter exatamente a mesma utilização das fontes convencionais. Para gerar essa energia, vão ser utilizados processos tecnológicos que transformam essa biomassa em uma fonte de energia.

Quais as vantagens da bioenergia?

O uso da bioenergia reúne vantagens ambientais, principalmente, em relação às emissões de gases do efeito estufa, como o gás carbônico. As emissões de carbono na utilização dessa energia já foram capturadas no momento da produção dessa biomassa, ou seja, não tem uma emissão acima do que já foi consumido. Na contabilização geral tem uma redução, diferentemente, de outras fontes de energia com matérias-primas fósseis. A gente está gerando energia limpa e não causando impactos ao meio ambiente.

Como o Brasil está nesse cenário de produção de bioenergia?

O Brasil tem papel de destaque na produção de bioenergia. É o segundo maior produtor tanto de etanol quanto de biodiesel e tem um potencial de se tornar uma potência ainda maior com a produção de outros tipos de bioenergia, como o biogás. O potencial de biogás é enorme.

O país se destaca pela extensão de terras agricultáveis onde a produção de energia não compete com a de alimentos, o que acontece em muitos países.

Já que o Brasil é considerado uma potência na produção de bioenergia, estamos no caminho certo?

O mundo está se direcionando para a transição energética, para a descarbonização, para reduzir as emissões de carbono provocadas pelas diversas formas de consumo. E a bioenergia entra na produção de uma energia limpa, sustentável e que reduz as emissões.

Hoje, já se exporta o etanol e poderia exportar biodiesel. O Brasil importa muito óleo diesel e poderia utilizar o biogás como fonte de energia exatamente da mesma forma.

Além disso, o mundo vem percebendo a bioenergia como uma forma de equilibrar os seus impactos em outras áreas e, nesse caso, entra o mercado de crédito de carbono, por exemplo. Os países que não conseguem descarbonizar sua economia, vão buscar essa possibilidade em outros locais. O Brasil poderia exportar esses créditos, produzindo energia limpa aqui, para fazer a compensação de outros países. Esse mercado é uma forma de valorizar e precificar corretamente essas energias e todos esses benefícios proporcionados.

Usamos cookies para melhorar a experiência de nossos usuários em nosso site. Ao acessar nosso conteúdo, você aceita o uso de cookies como prevê nossa política de cookies. SAIBA MAIS

Aceitar